Publicado por: Raphael Godoy | 19 fevereiro , 2013

Olha lá

var _gaq = _gaq || [];
_gaq.push([‘_setAccount’, ‘UA-33450078-1’]);
_gaq.push([‘_trackPageview’]);

(function() {
var ga = document.createElement(‘script’); ga.type = ‘text/javascript’; ga.async = true;
ga.src = (‘https:’ == document.location.protocol ? ‘https://ssl’ : ‘http://www’) + ‘.google-analytics.com/ga.js’;
var s = document.getElementsByTagName(‘script’)[0]; s.parentNode.insertBefore(ga, s);
})();

– Olha lá, quem vem lá.
– Quem?
– Alguém que parece não ter aonde ir.
– Mas se ele vem, já está indo para algum lugar.
– Mas nem todo mundo que vai a algum lugar, sabe exatamente aonde quer chegar.
– E se ele souber?
– Não sabe.
– Como sabe?
– Não sei. Sinto.
– E você, sabe para onde está indo?
– Não. E quem sabe?
– Eu sei.
– Mesmo? E para onde vai?
– Ao encontro do meu destino. Um futuro brilhante, uma carreira vitoriosa, família exemplar, muita alegria. Viagens inesquecíveis, comer nos melhores restaurantes, repousar nos melhores hotéis, apreciar as mais lindas paisagens.
– E por qual caminho vai chegar lá?
– Não importa. O que importa é chegar. E você? Que não sabe onde quer chegar, por qual caminho anda?
– Ando pelo caminho que me permite desfrutar de todos os prazeres que um dia você almeja ter. Tenho meu emprego que me fornece meu sustento, tenho minha esposa e filhos que estão sempre por perto, tenho a alegria de conversas como esta que temos agora. Já viajei a tantos lugares por meio de livros e prosas, já descansei debaixo de uma grande árvore e todo dia Deus me brinda com o nascer e por-do-sol, que a cada dia me parece mais maravilhoso.
– E aonde este caminho vai te levar?
– Não sei ao certo. Não me preocupo com o destino. Se o caminho pelo qual ando já me proporciona tantas alegrias, porque me preocupar com o ponto final?
– Não é apenas o ponto final. É também o seu legado, o que você deixa para o mundo. Como será lembrado. Deixar sua marca e enfim poder descansar. Terminar a viagem com a sensação de dever cumprido.
– Não me preocupo com estas coisas. Apenas penso no caminho, quais as melhores escolhas, por onde devo passar, quem irei encontrar, quantas vezes irei ver o mesmo por do sol e quantas vezes irei reconhecê-lo. Importo-me em aprender e em ensinar e também em fazer diferença na vida das pessoas. Não quero deixar uma marca para o mundo, mas, se eu fizer a diferença para quem eu menos esperar já me sinto feliz de ter passado por ali.
– E quando chegar ao fim do caminho? O que espera que digam de você? Não se importa com isto?
– Porque haveria de me importar? Nem sequer estarei lá para escutar.
– E nosso amigo que a esta altura já vai longe? Onde será que vai? Com o que será que se importa?
– Deve estar fazendo a diferença para a vida de alguém.
– Como sabe? Ou melhor, porque sente isto?
– Basta ver o passo cansado depois de um dia de trabalho, e ainda assim o sorriso no rosto que não esconde sua alma. Você viu a aliança em sua mão? Homem casado, e o embrulho colorido deve ser para sua criança. E aquele olhar que enxerga longe não vivencia só o agora, mas vê em cada folha que cai um grande sentido de divindade.
– Como viu isto tudo em tão pouco tempo?
– Não vi. Senti. Pois viver não se resume aos sentidos físicos, e sim, como eles se interagem com sua alma. E a alma, meu amigo, esta não se engana.

Publicado por: Raphael Godoy | 8 outubro , 2012

Bem ou Mal…

Finalmente o resultado das urnas e o PSDB volta ao governo em João Monlevade. Se o novo prefeito será a solução dos problemas em João Monlevade? Isto, só o tempo dirá. Não há como tirar o meríto da vitória, afinal foram 58% dos votos, o que garantiria a prefeitura até mesmo em uma cidade com opção de segundo turno.

Como bem dito pelo Fernando Garcia, resta saber como será o governo de Teófilo, quem serão seus empregados do 1º e 2º escalão do governo. Acredito que muitos do governo de Carlos Moreira irão retornar aos seus cargos e outras nova figuras da coligação serão lembradas.

Ao meu ver, monlevade estará bem representada, como também estaria caso Gentil vencesse, porém, a estratégia equivocada do PT de bater, bater e bater, retirou dele todas as possibilidades de vitória. A dupla Conceição e Dorinha, chegou atrasada, com a imagem de conceição pouco lembrada na política monlevadense durante 4 anos e comentários taxativos contra Dorinha, dificilmente venceriam estas eleições. Se fosse a 4 anos atrás, talvez tivesse dado mais certo.

Outro ponto positivo foi a grande renovação da câmara, que, novamente, para o bem ou para o mal só o tempo dirá. Alguns azarões e outros favoritos estarão lá, mas, agora é hora de ver se eles valem a sua popularidade.

Mas a mensagem que ficou desta campanha, pelo menos para mim, é que toda arrogância foi castigada. O fanatismo petista foi derrotado, ou melhor massacrado pelas urnas. Um partido que se orgulhava de “sozinho” conseguir a quantidade de votos necessária para vencer um eleição. Partiu com tudo para uma cruzada contra Prandinistas e Moreiristas, e se esqueceram do principal: das pessoas, dos problemas do município e de fazer uma campanha limpa.

Vão dizer que a culpa da baixa popularidade petista é do Prandini e que Conceição e Dorinha também foram afetadas por ele. Mas, a verdade é que ambos os partidos cavaram a própria cova. Um ao negar sua participação no atual governo, o outro por abraçar um erro que não cometeu.

Mas, em especial, me diverti com minha imaginação de pensar no desespero de muitas pessoas que hoje estão na prefeitura por causa de um o outro político, que anos atrás, chamavam a mim e outros que estavam de saída da prefeitura, de “Na Rua”. E mais ainda, naqueles que vestiram camisas e foram as ruas tentar garantir uma vaga na prefeitura nos próximos 4 anos.

Agora o que eu quero ver é como o PMDB e seus partidos coligados se comportarão na câmara, pois, serão maioria e, por isto, determinantes nas decisões do município. Tentarão uma nova aproximação do governo PSDBista ou assumirão seu papel de oposição pensando nas próximas eleições?

Publicado por: Raphael Godoy | 3 outubro , 2012

Enfim… eleições!

Enfim, chega o dia de ir a urna e… justificar minha ausência.

Depois de tanto tempo de campanha nenhum candidato conseguiu me convencer porque seria a melhor opção e por isto, não vou me dar ao trabalho de sair de Belo Horizonte para ir até João Monlevade para votar.

Publicado por: Raphael Godoy | 30 agosto , 2012

Pessoas e Idéias

Já faz um tempo postei algo no facebook dizendo algo do tipo “Não tenho nada contra quem diz que picolé de xuxu é gostoso. Mas eu não gosto”, fiz isto para deixar claro que não aprovava o gosto, mas não tinha nada contra a pessoa que gosta de picolé de xuxu. Porém, é difícil a pessoa que gosta de picolé de xuxu entender que é apenas a MINHA OPINIÃO, então ela acredita que a MINHA OPINIÃO é um ataque pessoal, quando na verdade não é.

Então fica o questionamento, até quando uma opinião a respeito de alguma coisa que foi dita ou escrita, é um debate de idéias e quando ela começa a se transformar em algo pessoal? Creio que é impossível discutir idéias sem esbarrar na imagem do próprio autor. Aquele que não tem a capacidade de ouvir comentários opostos a seu interesse e até críticas a seu posicionamento, não deveria expor seus pensamentos. Melhor seria que os guardasse para si, ou compartilhasse apenas com quem pensa da mesma forma.

Algumas pessoas, escrevem e dão a cara a tapa, recebem as críticas, se defendem como podem e até mesmo contra-atacam em um debate sem fim. Outras no entanto, se usam de artifícios mais covardes, como processos judiciais, intimidação e até mesmo a censura para que sua verdade preveleça. Exemplo disto são os governos ditatoriais e a santa inquisição.

Mas a culpa não é nossa, a culpa é das nossas leis que ainda estabelecem uma ditadura velada que permitem que Jornalistas sejam processados por observar o fato e reportá-los, ou até mesmo comentá-los. Processos por danos morais, calúnia, difamação, demissões e uma pá de outras punições que se fazem presente nas constantes ameaças de quem se sentiu ofendido de alguma forma.

Já tive muito problema por não saber ouvir críticas negativas ao que falo e a forma como eu me porto, por isto permanecia calado e com as idéias trancadas na minha cabeça ou em páginas de cadernos velhos. Hoje, não mais, sei exatamente quem eu sou e não preciso que me digam que sou “brilhante” e nem me ofendo se me chamam de “idiota”. Por isto, me exponho. Quem não pensa desta forma, ou seja, quer estar sempre certo ou não admite críticas, simplesmente, não deveria participar deste jogo.

Publicado por: Raphael Godoy | 27 agosto , 2012

Esperando

Depois de ver o último post do Melo, eu estou a espera dos próximos acontecimentos, até mesmo para entender qual foi o pecado do jornalista para receber uma notificação judicial por parte dos Partidos dos Trabalhadores, ou ainda, do advogado do Partido após uma série de debates acalourados entre os dois. Melhor não comentar nada, até que os fatos sejam esclarecidos.

Publicado por: Raphael Godoy | 24 agosto , 2012

Gentileza gera Gentileza?

Gentileza conforme o dicionário significa: 1. amabilidade, delicadeza. Gentil, por sua vez significa amável, delicado.

Pois bem, o que vemos da campanha “ser amável” pregada pelos militantes do PT?

Vemos exatamente o oposto. Baseio isto na observação de alguns pontos na campanha petista:

– A forma indelicada com que tratam o “ex-bem amado” Prandini
– O tom agressivo do Gléber Naime no seu discurso no lançamento da campanha petista.
– A agressividade petista quando opositores, ou melhor, eleitores questionam o PT sobre seu envolvimento com o atual governo.
– A tentativa de diminuir os outros candidatos insinuando que estes “fugiram” do debate.
– Intimidação por parte de militantes do PT (Isto ocoreu comigo e mais 2 outras pessoas)
– Tentativas frequentes de atacar a credibilidade dos outros candidatos

Poderia escrever aqui mais alguns tópicos, mas, estes já me servem para ver que o “Gentileza gera Gentileza” na verdade significa: Seja gentil comigo que serei gentil com você. Quando o ideal desta bandeira indica muito mais o seguinte significado: Serei gentil com você, mesmo quando você não for gentil comigo.

Acredito que Gentil e Laércio tem capacidade para governar, mas tenho receio da base que os sustentará no governo. Pois, se agora, que não são nada mais do que “apoiadores de um candidato” já tratam outros eleitores e cidadãos monlevadenses com tanto desrespeito e indelicadeza, imagine quando estiverem no poder?

Publicado por: Raphael Godoy | 14 agosto , 2012

35%

Em uma eleição para líder de turma, João, Maria e José se candidataram. A turma era pequena, apenas 20 alunos e por isto, a professora achou melhor não optar por um segundo turno. Então após as eleições, João foi eleito com 7 votos, Maria teve 6 e José também teve 6 e uma pessoa optou por não votar.

Acontece que João ganhou com uma margem mínima de votos, apenas 1 de diferença, ou seja 5% de margem para os segundos colocados. O que aconteceu depois disto é que os eleitores e apoiadores de José e Maria não passaram a apoiar o novo representante de turma.

Tal fato foi desatroso, pois em toda votação que a turma tinha que decidir alguma coisa, José e Maria, se posicionavam contra João, e sempre que José ou Maria reivindicavam alguma coisa, João achava que era intriga da oposição.

A consequencia é que a turma nada de bom realizou aquele ano, as idéias de passeio foram todas reprovadas, para a feira de ciência nenhum projeto foi aprovado e nem mesmo a formatura conseguiu agradar alguém.

Pode parecer besteira, mas monlevade corre o mesmo risco este ano e entrar em uma fase de estagnação ainda maior. Pois, este ano as três candidaturas não são mais concorrerntes, se tornaram rivais ferrenhos. Pois veja só:

Se Gentil ganha, ele não vai buscar apoio do PSDB e tampouco do PMDB que adotou Prandini.

Se Téofilo ganhar, ele não conversará com o PT pela história dos partidos, e tampouco irá procurar Conceição e Dorinha que conseguiram desarticular o grupo em 2008 e deu a vitória de mão beijada a Prandini.

Conceição e Dorinha poderão até procurar apoio, mas, PSDB e PT vão virar as costas por orgulho de se opor a alguma coisa diferente do que eles pensam.

Enfim, Monlevade pode ir se preparando para entrar na maior estagnação que já viveu.

Publicado por: Raphael Godoy | 6 agosto , 2012

No meio do tiroteio

A polaridade PT-PSDB está ainda mais acirrada este ano. Em 2008 o PT ressurgiu como uma sombra do PV, e este ano botou a cara a tapa. Mas, se faltam debates ideológicos, sobram troca de acusações entre os vermelhinhos e os azuizinhos. Quem ganha com isto é Conceição e Dorinha, que passam no meio do fogo cruzado sem sofrer qualquer dano (exceto uma ou outra bomba Petista carregada de aversão Prandinista), mas que já não faz mal a ninguém.

Se cabos e cabides dos dois partidos não acordarem, conseguirão convencer que tanto PT quanto PSDB não prestam, e aí Dorinha e Conceição que nada tem a ver com estes partidos sairão ilesas correndo por fora. Poderão ganhar não por se mostrarem mais competentes, mas sim, por sairem do lugar comum partidário e fazerem o seu jogo. Além do fato de que, em monlevade ecoa os pedidos por mudanças na política, e se há algo mais novo que Conceição e Dorinha (e não um partido no poder), alguém por favor me avise.
Temo não ser a melhor solução para Monlevade, acredito que Gentil e Teófilo terão mais capacidade e facilidade para reerguer a cidade devido ao apoio de políticos mais influentes de outras esferas (Estadual e Federal). Mas, se os meninos não pararem com as briguinhas e focarem no que interessa, é o que provavelmente teremos.

Publicado por: Raphael Godoy | 3 agosto , 2012

Malu e Seus Castelos

Ela brincava de construir castelos. A cada dia uma nova torre, a cada dia um novo muro. Ela criava represas, lagos, poços, casas… Na verdade, aldeias inteiras eram criadas e destruídas conforme sua vontade. Ela podia fazer o forte se sentir fraco e o fraco se sentir forte. Ela podia fazer do rei o bobo e do bobo a rainha, tudo como queria. E como não podia ser diferente, ela veio e mudou meu mundo. Em sua inocente brincadeira de construir castelos, jogou por terra tudo que eu havia construído – ou destruído – em 23 longos anos.

Com o sorriso no rosto – praticamente como o meu rosto – iluminava a sombria dúvida da incerteza e só ressaltava a alegria e a esperança. Não entendia como ela, tão pequena e tão limitada, tinha tanto poder sobre o que eu sentia. Como podia transformar meu dia em céu ou inferno, pela sua simples presença ou sua tão angustiante ausência. Assim era Malu, minha docíssima Maria, minha tão forte Luíza. Mas, como quem brincava de construir castelos, ela não se interessava por isso. Sua única razão era construir um mundo novo. Tão pequena e tão independente. Sua postura altiva parecia querer me dizer, “ei, eu não preciso de você”. Mas, quando eu a segurava nos meus braços, como quem zela por seus sonhos e a sentia dormir tranqüila e serena, era como se eu destruísse os altos muros construídos e estivesse a um passo de seus tesouros.

Tão alegre e tão irradiante, que até o seu silêncio enchia a sala de luz e som e nem seu choro, estridente, porém breve, expulsava a paz que encontrava quando estava ao seu lado e, desta vez, por perto, a podia tocar e sentir.

Tão linda e tão distante que me inspiraria a compor uma nova Canção do Exílio, mas desta vez, não a uma pátria distante, e sim, um pedaço de mim. Uma parte do que sou, que longe não me deixa ser completo e quando está por perto me faz sentir como se fosse o dobro de tudo que um dia imaginaria poder ser.

Porém, mesmo distante, podia sentir que ela construía seus castelos com muralhas, poços e aldeias inteiras. Porque apesar de longe, ela ainda era ela: A mais poderosa das princesas, a melhor construtora de castelos que já conheci.

Afinal, mesmo distante, ela ainda era e sempre será a Malu, minha docíssima Maria, minha tão forte Luíza, minha razão e minha vida. Não por tudo que é, foi ou vai ser, mas simplesmente por ser. Ser minha filha, ontem, hoje e sempre, até mesmo quando o mundo que a cerca a tente fazer esquecer.

Publicado por: Raphael Godoy | 2 agosto , 2012

A carta que eu gostaria de receber do PT

Caro Cidadão Monlevadente,

Por 39 meses atuamos junto com o governo Prandini, apoiamos este governo e participamos ativamente, mesmo quando não concordamos que as decisões do atual governante eram as melhores para o município. Mas, tentamos.

Agora, o que queremos é fazer um governo da nossa maneira, aprendemos com os erros da última administração e agora batemos na porta da sua casa junto com Gentil e Laércio para podermos fazer mais por Monlevade com projetos que respeitem a nossa história e nossos habitantes.

Desta vez, com pessoas mais preparadas e com um histórico político exemplar, vamos conseguir o que queriamos quando apoaimos o atual prefeito. Por isto, apresentamos nossa proposta para que João Monlevade retome o rumo do desenvolvimento tão desejado por todos vocês.

Mas tudo que eu escuto é:

João Monlevade, nós nunca estivemos com o Prandini. Propomos nossas idéias e ele as desprezou durante todo o tempo. Não tivemos participação na elaboração de idéias como Centro Olímpico, Teleférico, Restaurante Panorâmico e outras coisas do tipo.

Não indicamos secretarios, não tivemos partidários de nossa base em cargos comissionados do governo e tampouco participamos de qualquer erro que o atual prefeito cometeu. E só agora, ao fim de 39 meses, percebemos que estávamos sendo traídos por um governante que só pensa na sua sede de poder e que agora se aliou a outro partido nestas eleições.

Mas nós somos puros. Apenas PT e com Gentil e Laércio, vamos reparar as injustiças cometidas por este prefeito com nossa cidade. Mas cuidado, ele quer voltar ao poder, e para isto se aliou a Conceição e Dorinha.

#Vai Gentil.

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.